Professor: conheça 5 aplicativos para usar em sala de aula

73959-professor-conheca-5-aplicativos-para-usar-em-sala-de-aula

Aplicativos que ajudam os alunos a estudar não faltam no mercado. Lembrete de tarefas, jogos de memorização e organizadores de rotinas disponíveis em aplicações para estudantes. Mas e quanto aos professores? Será que não existem aplicativos para usar na sala de aula?

Sim sim E são muitos! Os desenvolvedores de aplicativos tentam entender uma rotina dos mestres e soluções de mercado. Alguns deles auxiliam a abandonar metodologias tradicionais e outras otimizam como rotinas de dentro de sala de aula.

Quer saber mais? Acompanhe este texto e conheça 5 aplicativos que atendem muito ao trabalho do professor em classe. Confira!

1. App para a classe

Já pensou registrar as avaliações dos alunos e fazer o cálculo das notas em um aplicativo? Isso pode ser feito sem App para a classe . Esta plataforma também pode abrigar uma agenda eo planejamento das aulas. Tudo isso sendo acessado via celular, tablet ou computador, tanto na sala de aula quanto em casa.

2. Educreation

Você perdeu muito tempo na internet procurando um vídeo sobre algum tema? Muitas vezes não encontramos uma animação mais adequada? Então, deve conhecer o aplicativo Educreation .

Com ele é possível montar apresentações animadas com fotos e textos. Também é para gravar uma voz e manipular os elementos presentes na animação. Com o Educreation como aulas vão ficar mais interativas e personalizadas.

3. Rastreador de Atendimento

Você tem reparado que os alunos têm faltado muito? E aqueles que chegam atrasados, com que frequência fazem isso? Essas podem ser questões complexas para fazer no lápis e papel. O aplicativo Attendance Tracker pode ajudar nisso.

Ele armazena informações sobre a frequência e atraso dos alunos. Ainda é possível emitir um relatório sobre esses dados. Esse é um ótimo recurso para identificar o nível de frequência e comprometimento de horário dos estudantes.

4. PowerTeacher Mobile

Como vão as notas dos alunos? Às vezes ir em busca dessa informação no diário de classe ou boletim dos estudantes pode ser algo cansativo e demorado. Que tal usar um aplicativo que faz isso?

O PowerTeacher Mobile permite gerenciar o perfil de cada estudante dentro de sala de aula. Por meio dele, o professor consegue lançar notas e atribuir detalhes sobre o desenvolvimento do aluno durante as aulas. Assim, vai dar para uma visão geral e individualizada do nível de aprendizado dos estudantes.

5. Orbulus

Quer trazer uma aula mais para os alunos e para os alunos? O aplicativo Orbulus permite visitar diversos lugares do mundo em fotos e vídeos em 360º.

Com esse recurso você consegue fazer um passeio virtual por lugares encontrados e ainda ouvir tudo que acontece no momento em que o local foi registrado. Seus exemplares adoram e você economiza tempo não planejamento das aulas.

Esses foram alguns aplicativos para usar em sala de aula que vão poupar bastante tempo. Além de usar esses dispositivos, é interessante também introduzir tendências pedagógicas para 2017. Ambientes colaborativos e jogos educativos são algumas das novidades que podem ganhar as salas de aula.

Qual desses aplicativos para usar em sala de aula mais interessou a você? Você já usou algum deles? Deixe seu comentário!

Você já ouviu falar em ensino STEM? Confira agora essa novidade

65899-voce-ja-ouviu-falar-em-ensino-stem-confira-agora-essa-novidade

A sociedade evolui. São diversas as novas ferramentas que facilitam a vida e reformulam conceitos, e na trilha dessa evolução devem estar as formas de ensino. Têm sido muito promissoras algumas experiências que visam a inserção de tecnologia como recurso para a educação.

Além disso, filosofias têm buscado reformular os modelos vigentes para aproveitar a vontade da criança de explorar, de querer entender o funcionamento das coisas e estender e beneficiar-se da fase dos porquês. O  STEM é uma dessas novas visões de ensino.

O que é STEM

STEM é o acrônimo em inglês para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. O que o STEM propõe é que essas disciplinas sejam ensinadas em conjunto, com o envolvimento dos alunos em todas as fases do aprendizado. A ideia é abandonar o ensino ortodoxo engessado, sem integração e desmotivador.

De acordo com essa política, o estudo é multidisciplinar, uma vez que as matérias são interdependentes.

Modelo de ensino adotado em diversos países

Muitos países, principalmente os que possuem tradição em darem ênfase ao ensino tecnológico, têm adotado e desenvolvido a filosofia STEM. Estados Unidos e Japão sempre investiram na formação de profissionais com esse perfil. Os Estados Unidos, por exemplo, estão trabalhando em programas que insiram o STEM na grade curricular desde o ensino fundamental.

O Brasil ainda é carente de profissionais preparados para atuar sob essa filosofia nas fases iniciais de educação. Mas já existem empresas especializadas na difusão e implantação dessa política nos grandes centros do país, bem como cursos de graduação.

Mitos e verdades sobre o STEM

Como algo novo, a filosofia STEM gera especulações. Diz-se que ela faz uma “falsa distinção” para destacar mais as suas disciplinas. Na verdade, a visão STEM indica que essas matérias estão sendo abordadas sob um novo enfoque, sendo estudadas em conjunto.

Também já foi dito que, no STEM, não existe pensamento interdisciplinar, que ele “codifica a atomização”. O que ocorre é o oposto disso: pelo fato de reunir as disciplinas, essa política cria um corpo, um campo de estudo maior.

Há quem pense que é necessário ser um prodígio em Matemática ou Ciências para conseguir um diploma STEM. Contudo, já existem alguns cursos baseados nessa filosofia e também especializações. Basta que o interessado escolha um curso em que sejam exploradas suas aptidões das áreas de exatas e dedicar-se.

Para quem considera a área de STEM um ramo de opções limitadas, vale esclarecer que mesmo que a graduação nessa área seja específica, pode-se ampliar os caminhos profissionais por meio de pós-graduações e estágios.

STEM: avanço no modelo de ensino

Os benefícios oferecidos pelo STEM são inúmeros. Ele traz interdisciplinaridade ao ensino de ciências e amplia o interesse dos alunos, que por sua vez passam a protagonizar a aula e deixam de ser meros expectadores.

Com o mercado de trabalho mudando, passa a ser crucial a capacidade de adaptação do indivíduo. Hoje, mais importante que saber é conseguir lidar com o conhecimento adquirido. Promover a formação técnica é uma necessidade. O STEM auxilia a educação em todos esses aspectos.

Uma característica da visão STEM é propiciar o desenvolvimento de aptidões técnicas, sociais e emocionais. Se você é um professor empreendedor ou um interessado nas tendências de ensino que seus filhos podem inserir-se, vai querer aprofundar-se nesse assunto.

E então, gostou de conhecer o STEM? Vale à pena aprofundar-se ainda mais? O que achou deste post? Deixe seu comentário!

Tecnologia na educação: 5 benefícios que você precisa conhecer

64126-tecnologia-na-educacao-5-beneficios-que-voce-precisa-conhecer

Ter na tecnologia uma aliada para implementar novos métodos de aprendizagem é uma atitude que vem transformando positivamente a maneira como estudantes se relacionam com os estudos.

Seja por iniciativa própria ou de educadores no ambiente escolar, o uso de dispositivos eletrônicos como ferramentas de ensino é uma realidade cada dia mais concreta.

E apesar da resistência e desconfiança de quem está acostumado com os métodos tradicionais, professores e escolas devem estar atentos para os benefícios do uso da tecnologia na educação.

Quer saber quais são eles? Confira a lista que preparamos para você!

1. Torna as aulas mais dinâmicas

Um desafio sempre presente na rotina de um professor é encontrar maneiras de despertar o interesse e estimular a participação dos alunos em sala de aula.

E se filmes, passeios em museus e outros métodos alternativos são muito utilizados para tornar as aulas mais dinâmicas, a tecnologia também não deixa de ser um estímulo e tanto para facilitar essa tarefa.

Que tal fazer o uso de vídeos e outros recursos visuais para mostrar na prática como funcionam fenômenos difíceis de explicar? Ou até mesmo promover atividades interativas por meio de jogos educativos para aumentar o engajamento e tornar as aulas mais divertidas?

Explorar essas e outras ideias não só facilita o aprendizado, como também ajuda a promover a troca de conhecimentos entre estudantes e professores, que aprendem juntos.

2. Permite personalizar a experiência de ensino

Todo estudante possui o próprio ritmo de aprendizagem, mas adaptar as aulas às necessidades de cada um é uma tarefa difícil de se colocar em prática. Felizmente, com o uso da tecnologia, é possível trabalhar as dificuldades deles a partir de experiências de ensino personalizadas.

É o caso de ferramentas como aplicativos educacionais, que permitem aos alunos evoluir nas suas limitações, explorando melhor os tópicos que eles não dominam.

A indicação de vídeos, sites e materiais de apoio específicos para cada necessidade também ajuda a individualizar a experiência de ensino para eles.

3. Facilita o acesso a inúmeras fontes de conhecimento

Com o uso da internet, encontrar conteúdos e materiais didáticos nunca foi tão acessível como atualmente. Familiares com essa realidade, as gerações atuais utilizam muito os mecanismos de busca para procurar informações e respostas para suas dúvidas.

Fazer uso disso em sala de aula dá ao educador a oportunidade de ensinar os alunos a avaliar a qualidade das fontes que encontram na internet e descartar aquelas que não são confiáveis.

Isso sem falar na diversificação de referências, como jornais, artigos científicos e vídeos educativos, que eventualmente podem motivar a participação dos estudantes para sugerir conteúdos interessantes que professores e colegas ainda não conheçam.

4. Prepara os estudantes para o mercado de trabalho

Diversas habilidades adquiridas com as tecnologias são requisitos fundamentais para os jovens que vão ingressar em um mercado de trabalho cada vez mais inserido na economia digital.

Estimular o uso desses recursos para a elaboração de projetos e tarefas permite que os alunos consigam desenvolvê-las.

Dessa forma, eles não apenas se tornam capazes de utilizar o potencial da internet e dispositivos para resolução de problemas, mas também desenvolvem o pensamento crítico e a capacidade de investigação independente.

Além disso, desafios que ensinam a trabalhar de maneira colaborativa, tanto em sala de aula como fora dela, preparam para lidar com situações semelhantes no futuro.

5. Educa para a cidadania digital

Inserir a utilização de recursos digitais em sala de aula também traz como benefício tornar oportuna a discussão sobre o uso responsável da tecnologia. Em um contexto em que os jovens passam boa parte do tempo conectados, torná-los melhores cidadãos digitais é uma tarefa que educadores não podem negligenciar.

Como, por exemplo, discutir o bullying digital e mostrar que o impacto das agressões verbais na internet tem consequências tão graves quanto as praticadas no mundo real.

Ensiná-los a identificar se um site é confiável e alertá-los para o perigo de conversar com estranhos em chats e redes sociais também são pautas cada dia mais necessárias na missão de educar para a cidadania digital.

E então, gostou de saber um pouco mais sobre os benefícios da tecnologia na educação? Restou alguma dúvida sobre o assunto? Deixe seu comentário!

O que é STEM? Como esse método pode influenciar o ensino no futuro?

o-que-e-stem-como-esse-metodo-pode-influenciar-o-ensino-no-futuro26620

Em busca de melhorias no ensino na área de exatas, as escolas vêm aplicando o uma nova forma de educar. E você, já sabe o que é STEM? Esse método permite que os alunos se interessem mais por algumas disciplinas da grade curricular, mais especificamente as da área de ciências exatas. Fique com a gente neste post e vamos te apresentar o STEM e mostrar como esse método pode influenciar o ensino e a vida das nossas crianças.

O que é STEM?

STEM é uma sigla em inglês que designa justamente as disciplinas que mais se beneficiam desse método: Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Basicamente, o que o STEM sugere é que essas disciplinas sejam ensinadas juntas e envolvendo os alunos em cada fase do aprendizado. Interdisciplinaridade e aplicação prática!

Como ele funciona?

No STEM os professores aplicam metodologias e apresentam problemas que devem ser resolvidos. Os alunos planejam e desenvolvem projetos. Se acontecer de algo dar errado, uma postura mais positiva é adotada: os alunos são motivados a descobrir onde está o erro, em vez de receberem uma avaliação negativa, o que estimula a perseverança e a autocrítica.

Para que ele serve?

O STEM serve para aumentar o entendimento dos alunos de temas mais complexos, como engenharia e matemática. Feiras de robótica, projetos de ciências e outras atividades educativas da área de exatas são etapas do STEM que os alunos cumprem com entusiasmo.

Quais os seus benefícios?

Alguns benefícios do STEM: estimular nos alunos o gosto pelas disciplinas de ciências exatas e também o gosto por novas tecnologias, aumentar a capacidade de concentração, observação, criatividade e autoanálise. Ao participar de projetos eles podem, ainda, aprender o trabalho em equipe, autocontrole e empatia. Tudo isso com perseverança e uma visão positiva dos próprios erros!

Qual a sua importância para o ensino das ciências exatas?

O STEM é de extrema importância, pois contribui para tirar o ensino daquela perspectiva tradicional em que o professor é um mero transmissor de conteúdo. Com o STEM, as disciplinas da área de exatas deixam de ser vistas como as vilãs do ensino fundamental ou médio. O aprendizado fica mais leve e eficaz, atingindo o tão sonhado engajamento nas disciplinas da área.

Como é usado atualmente?

No ensino fundamental, a prática do STEM é feita de maneira mais tranquila e natural. Aproveita-se do método para engajar os alunos e utiliza-se as inteligências múltiplas existentes em uma mesma sala de aula. Os alunos do ensino fundamental são estimulados com projetos mais simples e, depois de um tempo, o nível de dificuldade aumenta gradativamente.

Já no ensino médio, há atividades mais complexas e criativas. Como o método já faz parte do cotidiano, os professores propõem projetos mais desafiadores e os alunos devem responder à altura. Sua abordagem prática, aliás é de grande valia para os alunos do último ano, no momento em que vão decidir qual carreira seguir.

O STEM, a cada dia, revoluciona o ensino de ciências exatas e conquista novos adeptos, sejam alunos ou professores. Um método atraente, inovador, engajador, interdisciplinar e baseado em vivências!

Conte para seus amigos o que é STEM e tudo que ele pode trazer para a educação compartilhando esse post em suas redes sociais!