5 truques geniais para ensinar ciências nos primeiros anos de escola

50541-5-truques-geniais-para-ensinar-ciencias-nas-series-iniciais

O professor que dá aulas para crianças do Infantil e Fundamental 1, sabe muito
bem o quanto elas, em geral, necessitam de movimento e criatividade nos métodos de ensino. Essas características podem ser aproveitadas para ensinar ciências, juntando a animação que elas têm com metodologias mais interativas.

Seja por meio de filmes animados, peças de teatro ou jogos eletrônicos, o professor tem acesso a várias práticas que funcionam como verdadeiros truques de mágica para chamar a atenção dos alunos.

Neste post, você vai conhecer algumas formas de ensinar ciências de uma maneira mais próxima do universo e comportamento infantil.

1. Filmes de desenho animado

Tem algo que chama mais a atenção das crianças do que desenhos animados? Sim! A aula em que você fala sobre eles. Diversos filmes com classificação indicativa livre trabalham com temas sobre ciências. De maneira sutil, divertida e com linguagem visual, esses filmes vão fazer as crianças ficarem sintonizadas e você pode utilizar isso para discutir os temas.

A título de sugestão, convide as crianças para assistir o filme Wall-E. Em um futuro distante, o robozinho que dá nome ao filme é encarregado de fazer a limpeza do nosso planeta Terra, desabitada e poluída naquele momento. O filme apresenta vários assuntos, como a organização do Universo, as tecnologias e a necessidade de preservação ambiental.

2. Jogos para ensinar ciências

Física, química e biologia são os conteúdos de muitos jogos infantis. Aproveite para trabalhar com eles nas suas aulas! Têm alguns que utilizam cenários de ficção científica voltados para o ensino e que permitem aos alunos criar personagens baseados em tópicos de ciências.

Este é o caso do Minecraft, jogo eletrônico que auxilia no desenvolvimento da criatividade e na fixação do conhecimento por parte das crianças. Experimente pedir seus alunos para construir cenários, por exemplo, de ecossistemas estudados em sala de aula. Eles vão rememorar o que aprenderam para poder formar uma plataforma interessante de se jogar.

3. Feira de ciências

As feiras de ciências são lugares especiais para participação e aprendizado das crianças. Nesses momentos, elas ficam mais próximas da atividade científica, pois conseguem criam hipóteses e testam as coisas, elaborando seus próprios experimentos.

Uma dica de projeto interessante que pode ser mostrado na feira de ciências é como ocorre uma reação química. Você pode colocar algumas pastilhas doces, dessas comuns, em uma garrafa com refrigerante. Em seguida, agite e repare no efeito explosivo da reação do açúcar com a bebida gaseificada. As crianças vão adorar e com certeza vão querer que você apresente outros projetos para as próximas feiras de ciências.

4. Apresentações teatrais

Por meio da representação produzida por peças de teatro ou uso de fantoches, os conceitos relacionados a ciências podem roubar a cena. Para o teatro, é ideal trabalhar conteúdos que envolvam sequências, processos ou etapas. Por exemplo, você pode ensinar a seus alunos o ciclo do mosquito da dengue, conscientizando sobre o perigo dele para os seres humanos.

Existem variadas maneiras de se montar uma apresentação de teatro. Porém, faça da maneira mais interativa possível. Divida a sala em grupos, distribua os papéis e discuta com os alunos a importância de cada processo desenvolvido em cena. Essa é uma maneira alegórica e divertida de aprender noções de ciências.

5. Observação do entorno

Para ensinar ciências, você não precisa estar necessariamente nos laboratórios e nas feiras. Você pode utilizar o pátio da escola ou a vizinhança para estimular a observação de fenômenos por parte das crianças. Ou, então, programar passeios e visitas em determinados lugares e apresentar situações-problema para que o aluno se mobilize e observe com um olhar crítico aquele ambiente.

Por exemplo, em um parque, você pode pedir para as crianças compararem os elementos físicos e biológicos que existem nos lugares urbanos e naturais. Valorize o processo de observação dos seus alunos, componente importante da atividade científica e necessário para a aprendizagem.

Esses foram alguns truques para ensinar ciências para séries iniciais. Independentemente da atividade proposta, sempre estimule seus alunos a estabelecer relações de causa e efeito, a fazer comparações e a interpretar as situações apresentadas para eles. Faça da sua sala de aula um lugar de pequenos cientistas!

Aprovou essas táticas? Já utilizava alguma delas? Deixe seu comentário!

Que tal criar um workshop de ciências para os estudantes?

36167-que-tal-criar-um-workshop-de-ciencias-para-os-estudantes

Se seu objetivo é criar um workshop de ciências para os estudantes, é fundamental entender a finalidade do evento. Um workshop é uma aula informativa com foco no ensino de habilidades específicas ou na exploração de um determinado tema. Geralmente, é desenvolvido por educadores, especialistas em alguma área, gerentes ou líderes com conhecimento em um ou vários assuntos.

Pensando nisso, um workshop demanda interação com o público, seja por meio da intervenção dos participantes ou de práticas em grupo. Esse formato de evento pode ter a duração de algumas horas ou se estender até por uma semana, caso seja dividido em subtemas.

Como o público-alvo desse workshop são os estudantes, o ideal é elaborar um evento que combine aprendizado, engajamento e diversão — ferramentas básicas para manter os jovens envolvidos durante todo o processo. Confira, neste post, algumas dicas que podem contribuir para a organização da sua apresentação:

Planeje o workshop de ciências com foco no público

Se sua intenção é fazer com que os jovens participem ativamente do workshop, planeje um evento que inclua uma parte teórica que dialogue com a parte prática da apresentação. Resumidamente, coloque suas ideias em um relatório (em tópicos), sempre lembrando que as informações mais importantes devem integrar o início do workshop, do mais simples e direto, até atingir o tópico mais complexo.

Simule o evento no papel

Estabeleça um tempo para cada atividade. Exemplo, se sua atividade tem 2 horas lembre-se de que são necessários 10 minutos para expor as regras do workshop (é preciso levantar a mão para falar, os celulares devem estar desligados, a sala será dividida em grupos, etc.), 20 minutos para mostrar a importância da ciência e estimular a curiosidade para o que vem pela frente, outros 5 minutos para dividir a sala em grupos, de mais 60 minutos para desenvolver a dinâmica e 15 minutos para finalizar o workshop, e talvez ainda 10 minutos para um pequeno intervalo. Pronto: ficou estabelecido um processo de 2 horas, de educação divertida em um ritmo  planejado e dinâmico.

Prenda a atenção do estudante desde o primeiro momento

Em workshops, palestras, oficinas ou cursos dirigidos a jovens, é um desafio para os professores mantê-los envolvidos durante toda a apresentação. É importante estabelecer em que momento você vai implantar “detonadores de atenção”, ou seja, itens que provoquem e estimulem os estudantes a interagir.

Crie jogos e quizzes, mostre vídeos interessantes, escolha um estudante e o transforme em ajudante. Assim, a apresentação tende a ficar divertida e pouco tradicional.

Estimule os jovens a criar a própria experiência científica

O ponto alto do workshop é a parte prática. Pense em algo como apresentar uma experiência científica, mostrando o lado divertido da ciência. Divida os alunos em grupos e os estimule a desenvolverem a própria experiência. Com isso, você consegue a atenção dos estudante e a interação entre os grupos.

Termine sua apresentação com um “grand finale”

Para que o ritmo da apresentação se mantenha e os estudantes continuem animados até o final, busque um artifício como uma frase de impacto de um cientista famoso ou um vídeo inesquecível (de poucos minutos), e o apresente nos minutos finais. É importante usar as novas tecnologias como forte aliada e, para isso, há inúmeros suportes nas redes sociais que podem desempenhar esse papel. O YouTube Educação é um desses exemplos.

Esperamos que esse artigo o ajude na montagem de um ótimo workshop. Se quiser ainda mais dicas sobre como trazer conteúdo educativo de qualidade para estudantes, assine nossa newsletter!