Entenda o que é o método STEM e como ele pode ajudar na sua escola.

Two little students doing biochemistry research at the classroom

STEM é a sigla para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (em inglês). Ela é atribuída a um método de ensino que está se tornando mundialmente conhecido. Esse método tem por objetivo, unir as quatro áreas, que compõe a sigla, em uma abordagem interdisciplinar e prática.

Segundo o site STEMconnector.org, esse método é promissor e de grande relevância, já que o mercado de trabalho atual exige, cada vez mais, habilidades que envolvam essas quatro áreas. Embora estejamos falando em mercado de trabalho e isso soe como aplicável apenas a alunos dos anos finais da educação básica ou do ensino superior, o método funciona perfeitamente nas turmas de anos iniciais. Cada estágio, porém, tem sua especificidade.

O método pode ser aplicado a todas as séries?

Sim. O método se aplica a todas elas, pois ele é propulsor do desenvolvimento cognitivo e socioemocional. No entanto, cada etapa de ensino possui suas próprias demandas, uma vez que os alunos estão em fases diferentes de desenvolvimento. Ele não está descolado da grade curricular exigida pela MEC, pelo contrário, ele favorece o ensino de conteúdos como ciências e matemática, que são transversais em todas as disciplinas e bases para todas as séries.

Não é uma metodologia séria demais para ser aplicada às crianças?

Não. O ideal é que o método seja aplicado de forma interativa e atrativa. Um dos propósitos do STEM é tirar a rigidez dos métodos pedagógicos convencionais, espalhando o aprendizado, excedendo as paredes da sala de aula. E mais, por essa metodologia o aluno é incentivado a descompartimentar seu aprendizado, interligando as disciplinas e aplicando-as a projetos.

Esse método direcionará meus alunos apenas para área de exatas?

Como dissemos, ele estimula o desenvolvimento cognitivo como um todo (e socioemocional também). O método não é direcionador ou favorecedor de uma área de conhecimento. Ele é, na verdade, a base para uma pedagogia de um desenvolvimento integral.

O estudante é incentivado a resolver problemas reais, por meio de atividades ligadas diretamente à: ciências, tecnologia, engenharia e matemática. Nos projetos desenvolvidos os alunos são estimulados a planejar, executar e criar soluções para as falhas. Esses estímulos não são privilégio do campo de conhecimento das ciências exatas, são aplicáveis a qualquer área e carreira e também na vida social.

O método tem preocupação em disciplinar as crianças?

Sim. No entanto, ele possui algumas diferenças dos métodos tradicionais. O foco do STEM não é o castigo, mas fazer com que o estudante reconheça seus erros e tente mudá-los. Utilizando-os, assim, como aprendizado e amadurecimento.

O STEM propõe que o estudante aprenda sozinho?

Não. Ele promove o mapeamento de pontos fortes e fracos de cada estudante, de forma positiva, sem qualquer sentido de disputa. Isto é, não é uma promoção de autodidatismo, mas de personalização do ensino. O que favorece a junção de grupos semelhantes, não melhores ou piores, mas semelhantes.

É perfeitamente plausível, se pensarmos que a única certeza de semelhança que temos entre os estudantes, é a idade. O restante pode sofrer inúmeras variações.

Escolher métodos de ensino adequados é uma preocupação de todos os gestores educacionais. Se esse é o seu caso tenha em mente que a escolha do STEM proporciona o desenvolvimento global de seus estudantes, fomenta a interação entre o corpo docente e leva o aprendizado, disseminado por sua instituição, para fora dos muros da escola. O STEM é um ensino para a vida.

Gostou do método e quer saber mais sobre o ensino da ciência de forma divertida, então clique aqui.